Banco Nacional

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Mapaminas.gif Minas Gerais... quem te viu, não te esquece jamais...

Uai, sô! Este artigo foi inscrito pur um minerim! Se ele inda num tá completo é por causo de que o disgramado deve tá comeno um pão de quêjo, um paster de milho ou a vaca atolada da tua mãe purque minêro come quéto!

Banco Nacional faliu!
Graficozero.JPG Nem o Seu Creysson quita suas dívidas!

Outros que ficaram no vermelho.

O ídolo e a opressão: Percebe-se que o uso constante do boné do banco maldito levou o corredor a ficar mais próximo da morte. Perceba também ao fundo a presença maligna de outra marca opressora, a Rothmans.

Banco Nacional, como o nome sugere, era uma instituição genuinamente BR: Usava a técnica fabulosamente revolucionária e sempre eficaz do jeitinho, como poucos aliás até hoje nesse mundo, pra se manter vivo, mesmo já tendo morrido tecnicamente desde 1986, conseguiu enganar todo mundo e custaram 4,6 BILHÕES DE REAIS pros cofres públicos, numa clara prova que o Brasil sempre foi (e sempre será) um país de TOLOS.

História[editar]

O banco foi fundado por Francisco Moreira da Costa (irmão do ex-ministro da Fazenda Delfim Moreira (e ao contrário do que a Wikipédia diz no artigo dela, nenhuma relação com o ex-presidente de mesmo nome) e pelo ex-governador de Minas Gerais José de Magalhães Pinto, que foi um dos chefinhos do Golpe de 64 inclusive. O velho Zé tornou o banco uma forma de ganhar ainda mais grana do que já conseguia em sua vida política.

Só que, em 1986, o velhote teve dois derrames cerebrais e sugou-se toda a grana da instituição pra tentar manter o zumbi vivo, numa clara tentativa de distanásia, que foi repetida com o banco, inclusive.

Naquele ano, em que o banco ficaria quebrado graças a imbecilidade dos filhos do Zé, Marcos e Eduardo Magalhães Pinto, eles conseguiram simular magicamente que o banco estava muito bem, obrigado. Em primeiro lugar, FINGIRAM financiar a carreira do famoso piloto de F1 Ayrton Senna (na verdade eles recebiam dinheiro dele e faziam uma malicinha pra parecer que era o contrário). Depois, graças a um mágico e ilusionista profissional chamado Clarimundo Sant'Anna, que era gerente da sede do interior de Minas Gerais, em Patos de Minas, e começou aí uma técnica inacreditável de passar a perna em todos os presidentes do Banco Central que passaram por 10 anos até 1996.

A técnica era simples: Ele escolheu a dedo 642 contas correntes de clientes que já tinham morrido, mas tinham deixado um rombo nas finanças (o pior tipo de caloteiro: não paga nem depois de morto). Ao invés de cobrar (o que, obviamente, era impossível), eles se aproveitaram do facto que o sistema de fiscalização financeira do país era (e continua sendo) uma bela bosta, e fraudaram empréstimos em nome desses 642 mortos, que na situação que estavam não iriam tirar empréstimo nem pra pagar a conta do jardineiro do cemitério. Com esses empréstimos fakes, eles conseguiram enganar muito bem todo mundo, só que a partir de 1994 a coisa fedeu. É que, com a morte do maior contribuidor da safadeza, o corredor do "pan-pan-pan... pan-pan-paaaaaaan", o Nacional começou a falir por outro motivo. Ainda assim, mesmo já falido praticamente e sob investigação/intervenção do PROER (um programinha criado pelo Fudendo Henrique Cardoso pra alisar a cabecinha de banqueiros fodidos) e finalmente no final de 1995 a banca, ops, o banco quebrou de vez e foi vendido pro Unibanco, embora o BC continuasse com a maior parte do cocô da empresa em seu poder. E foi assim que eles enfim descobriram que nove presidentes do BC tinham sido engabelados, até mesmo "mestres" do mercado financeiro, como Pérsio Arida (que depois também daria outra dor de cabeça ao Brasil, dessa vez na época da venda da Telebras, quando seu então banquinho tentou comprar tudo sem direito e deu em merda) e até o futuro Ministro da Fazenda de FHC Pedro Malan (pra se ver "em que mãos" estava a economia do país naqueles tempos...).

O paradeiro dos irmãos Magalhães Pinto é um mistério atualmente, possivelmente estão ocupando a antiga Caverna de Bin Laden. Já o pai deles morreu pouco tempo depois do escândalo descoberto, provavelmente de outro derrame de desgosto. Já o "gerente ilusionista" provavelmente fez um truque e evaporou, junto com o dinheiro do BC.

Um anexo importante[editar]

Nas partidas finais do Campeonato Brasileiro de 1984 patrocinou o Fluminense e o Vasco. Dizem que é graças a esse patrocínio que hoje em dia os times mudaram de nome pra Florminense do Tapetão Club e Clube de Vergonhas Vice da Gama, além do ótimo desempenho em campo que eles demonstram do final da década de 80 até os dias atuais...

Ver também (só não invista nelas, já faliram todas)[editar]