Despoesias:Poema do Amor a Maconha

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Despoesias.png
Gregorio-de-matos.gif

Este artigo é parte do Despoesias.

O seu Cancioneiro/Romanceiro livre de conteúdo.


<poem>
A Maconha é tão bela,
Que de bela não me acanha
E já que não sou criança,
Penso que já me dirijo
E assim quero ser bicho
E virar o seu amigo!
Conha minha.
Linda Conha.

E vivi tão loucamente
Que me sinto tão dormente.
Juro que num tô chapado;
Mas com conha... Tá ligado?
...E assim ser conhecido:
Maconheiro, homem bicho.

Nunca fui traído...
Desse verso... Esquecido.
Porque dela é meu vício.
E assim... A fumaça tão tá tão tá.
Maconheiro conhecido...

Porra bróder. Tá... Uhuuu
Que?
...É meio... poxa... assim....
Sabe... Quem pensa de mim!?
Sim? Sim, é isso Aí.
Coisa de intelectual;
Saiu ontem no jornal...
...Culpa do imperalismo,
Ismo, ismo, ismo... Sóó

Porra cara, tá tão... tá... tão...tá tão...
Que é meio, poxa assim
Sabe aquilo tipo... assim...
Coisa assim coisado em mim...
Vou tipo, coisa,
Pra coisar sabe... Em mim...

Queria ser um baseado...
Para nascer em seus dedos...
morrer em seus lábios...
E fazer sua cabeça.

Hu Hu Só.... É isso aêêÊÊ

-Bom esse troço

PoiséééééÉÉÉÉ

-Sóóóó

Heheheheheheeh

-Haahajhaahahah

Puta.... Porra, heheheeh

-Que troço é esse aí?

Pô, esqueci o ia fazer?

Pô... esqueci... ...o que tava fazendo????

- Isso aêêÊÊ