Longyearbyen

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Longyearbyen (do norueguês, literalmente: Cerveja de Longos Anos) é a capital de Svalbard, uma utópica cidade numa ilhota lá pertinho do Polo Norte, conhecida na Europa por seu transporte público perfeito, seu silo nuclear, suas ruas pavimentadas em ouro, suas valas enormes cheias de ajuda alimentar para o terceiro mundo que é queimado por valor humorístico, e numerosos purificadores de ar de fragrância de amêndoas públicos para evitar que o cheiro de peixe e carvão.

História[editar]

Longyearbyen à noite.

Inicialmente fundado como um mero acampamento em 1906 por um empresário de Boston que levou para esse lugar inóspito mais de 70 machos e nenhuma mulher com a desculpa que procuraria lá por carvão, quando na verdade sua intenção era uma mega-orgia gay regada a muito gang-bang ininterrupto.

Só a partir de 1930 que algumas poucas mulheres foram permitidas de entrar na ilha para evitar uma suspeita internacional acerca das barbaridades homossexuais que poderiam estar ocorrendo em Longyearbyen.

Em 1943, todavia, a cidade de Longyearbyen foi bombardeada pelo general nazista Joselitz que era homofóbico, embora como todo homofóbico fosse um emo enrustido e aquela franja que ele tinha tão bem penteada não enganava ninguém. Mas como sabemos, os homofóbicos foram derrotados na guerra e uma nova ordem mundial de promiscuidade sexual floresceu no mundo e um bacanal de 5 anos foi declarado em Longyearbyen para comemorar a vitória dos Aliados.

Geografia[editar]

Longyearbyen é a cidade mais setentrional do mundo, considerando que Alert no Canadá seja apenas a fábrica de brinquedos do Papai Noel e não necessariamente uma cidade. Na maioria dos mapas a cidade nem aparece por geralmente estar cortada então fica difícil descrever exatamente onde fica, mas é em Svalbard. O clima é completamente hostil, apesar do frio intenso lá quase nunca neva, faz apenas frio de lascar e a população nem tem a opção de fazer bonecos-de-neve.

A cidade é famosa pelo sol da meia-noite que acontece em todos verões, quando a inclinação do eixo da Terra sobrepõe o periélio de sua rotação em relação à aurora boreal e assim o Sol aparece meia-noite pois é convenção na cidade todos habitantes alterarem seus relógios de AM para PM.

Em compensação, de outubro à fevereiro Longyearbyen é assolada por uma noite permanente. Nesse período ninguém sai de casa entrando em um profundo estado de hibernação onde todos ficam em suas casas jogando gamão.

Turismo[editar]

Como existe gosto para tudo, há quem vá praticar turismo nesta cidade. O ponto mais visitado da cidade é o palácio do Rei Sven-Göran Eriksson, cujo palácio contém vários campos de golfe e compreende 20% do território urbano.

Há também como opção inúmeros teatros, cinemas, coliséus, restaurantes de lulas, lojas de arpões, instalações esportivas, bordéis e playgrounds para crianças. O centro de Longyearbyen é dominado por um gigante supermercado das Lojas Americanas, de onde se erguem uma estátua de 100 metros do fundador da cidade (com olhos que atiram raios laser para deter a criação de ninhos de gaivotas), e o maior bordel no norte da Europa.