Miguel Gregorio Antonio Ignacio Hidalgo y Costilla Gallaga Mondarte Villaseñor y Tortas con Almendras in El Chavo del Ocho

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
(Redirecionado de Miguel Hidalgo y Costilla)
Ir para: navegação, pesquisa
Doritos.jpg ¡Viva Zapata!

Esta es más una de las porquerías que viénen del México, como la Televisa, El Chavo del Ocho, Thalía y Moderatto. Lo autor está en una cantina en Guadalajara comiendo tacos con jalapeño y guacamole.

60px-Bouncywikilogo.gif
A nossa sátira autorizada, a Wikipédia, tem um artigo sobre: Miguel Hidalgo.

Cquote1.png Hijo de puta! Cquote2.png
Espanhóis sobre Miguel Hidalgo
Cquote1.png Sou mais eu! Cquote2.png
Dom Pedro I sobre Miguel Hidalgo
Cquote1.png Eu prefiro morrer do que perder a vida! Cquote2.png
Miguel Hidalgo, bradando aos espanhóis crueis e exploradores do México.

Miguel Gregório de Matos Guerra Luís Ignácio Galego Monserrat Hidalgo y Costelinha era um padre comum, que, nas horas vagas, lutava pela independência do México. Dizem que ele conseguiu, apenas esqueceu de avisar para os Estados Unidos.

Hidalgo antes da luta pela independência[editar]

Nota-se pela estátua que ele era um moço muito bonito. Ou não.

Hidalgo era um menino feio. Desde muito pequeno, sofria com as piadinhas de seus colegas. Cansado daquilo tudo, resolveu partir para algo onde ele tivesse espaço para demonstrar suas qualidades. Assim, entrou para o balé. Como nenhuma bailarina queria dançar junto dele, e os pais estavam cansados de bancá-lo, entrou para o seminário. Ele estava sempre sozinho, visto que ninguém queria estar no mesmo lugar que ele. Então, o tempo que passava sozinho era utilizado em leituras, o que lhe possibilitou aprender várias línguas, entre elas o nahuatl, falada pelos astecas. Percebeu, então, que quase não havia mais nenhum asteca, que haviam todos sido empalados e mortos em nome do rei da Espanha. Como ele não tinha nada melhor para fazer por falta de companhia, resolveu ir à luta. Mas, antes disso, precisava estar mais apresentável. Aprendeu algumas poções e mandingas indígenas, e, assim, conseguiu uma aparência física mais decente. Assim, saiu da clausura para lutar pela liberdade mexicana e para descobrir como é ter uma vida sexual.

Viva México, carajo![editar]

Miguel Hidalgo começou a fazer uns discursos nas ruas, motivado pelo fato de não mais ser hostilizado pela feiura. Assim, conheceu Ignacio Allende, com quem fez sexo amizade, e dele recebeu o convite para entrar no movimento de luta pela independência mexicana. Numa missa, ele viu que muitos de seus miguxos haviam sido presos, e num ato de fúria, aos gritos e gemidos, roubou um estandarte e saiu gritando pelas ruas: "Que vuelvan mis hombres y que se vaya a la mierda el gobierno!". Esse episódio ficou conhecido como o "Grito de Dolores". Montou um exercitozinho e saiu pelos rincões mexicanos, fuzilando inimigos e torturando inocentes, ou seja, algo absolutamente normal. Após algumas vitórias e derrotas, acabou preso e fuzilado, como normalmente acontece em uma guerra, ou não. Seu nome passou a ser usado como bandeira de luta pelo movimento gay nacionalista, e até hoje ele é um grande herói mexicano, fato para o qual você não dá a mínima.

Ver também[editar]