Popó

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
PokeRyu.PNG Este artigo é sobre um(a) lutador(a)!
Se você ofender este fodão estragando este artigo, ele te enche de porrada!
Knux Smash.jpg
Nova Bandeira da Bahia-Desciclopédia.PNG Colé moral, essi negoçaqui é da terra do dendê. O tio qui feiz issáqui é cuncerteza baiano, intõ, sinhá disgraça de lá do sul da minha caceta, num méxi nas porra daqui nã, vu? Ô vô rumaladsgraça e inda chamo a barrêra pá ti pancá, seu comédia.
Popó com vantagem durante uma luta.

Acelino Cheira Pó Freitas mais conhecido como Popó ou ainda Popeye é um famoso boxeador (não tão bom quanto o Seu Madruga) e nas horas vagas, um político honesto do Brasil [carece de fontes].

Biografia[editar]

Na infância, Popó era um aluno muito burro e logo abandonou a escola. Como apanhava dos moleques na hora do recreio, começou a se interessar pelo boxe para se defender e assim passou a treinar com Carlos Maçaranduba. Durante anos, Popó serviu de saco de pancadas, mas finalmente aprendeu a lutar, não a um nível que se diga, minha nossa, que lutador, mas sabia o básico (socar e não levar soco).

Além disso, Popó adorava dar socos nos testículos dos outros e ficar se esfregando com outros machos no chão do ringue, além de achar um luuuxo ficar sem camisa, usar shorts bem fashions e luvas combinando. Também teve um problema sério com cocaína, daí o apelido Popó que o tornou famoso, embora fontes indicam que na verdade seja uma homenagem para Sr. Popo de Dragon Ball.

Carreira no boxe[editar]

Sr. Popo, uma das grandes inspirações de Popó em sua carreira de pugilista.

Medindo 1,65 m (praticamente um anão) e pesando 70 kg (magrelo até falar chega), Popó se tornou um dos grandes nomes do Bboxe brasileiro (o que não quer dizer muita coisa, vide Maguila). Conquistou 4 títulos mundiais, já que seus adversários eram na maioria das vezes bêbados, idosos ou pessoas doentes. Alguns desses são Anthony Martínez, Barry Jones, Javier Jauregui, Lemuel Nelson, Carlos Alberto Ramon Rios e Orlando Jesus Soto (mas mais tarde foi confirmado pelo próprio Popó que ele comprou todas essas lutas).

Outros combates comprados foram contra Joel Casamayor, Artur Grigorian e sua primeira vitória real foi contra o argentino Jorge Rodrigo Barrios, justamente pelo fato dele ser argentino e argentinos são um bando de maricas como o Maradona.

Mas nem tudo são flores: um dos adversários não aceitou vender a luta e o Popó levou poporrada, perdendo assim seu cinturão. Com isso aprendemos que trapaceiros nunca vencem. Após a segunda derrota contra Juan Diaz, Popó decidiu pendurar as luvas para não virar motivo de piada, já que estava tomando um couro violento nos ringues.

Após passar um tempo treinando pivetes, Popó voltou a lutar em 2011 e nocauteou Michael Oliveira (milagre), mostrando que ainda conseguia comprar lutas. Por fim, se aposentou em 2017, já que a política rendia mais dinheiro que ficar se arrebentando a toa para um bando de imbecis.

Carreira política[editar]

Popó entrou na política ainda na fase de lutador, em 2010, quando lançou sua candidatura para deputado pelo PRB. Criou assim "O Dia Nacional do Boxe", comemorado em 26 de março vai saber por quê, e só. Pode ter tido algum dinheiro a mais depositado em outras contas com seu nome durante esse período, mas ele afirma que veio do boxe.

Tentou se reeleger em 2014 mas perdeu e achou melhor sair desse ramo lucrativo.

Curiosidades[editar]

Imagem de manchete alarmista sobre Pablo Vittar ter ido longe demais ao ter um caso com Popó.

Ver também[editar]